Carregando Idioma...

Nunca use os textos Motivadores

Descubra o porquê de não ser adequado o uso dos dados dos textos motivadores da prova do Enem em sua redação.

Nunca use os textos Motivadores

Hoje quero bater um papinho sobre os textos motivadores que aparecem na prova do Enem.

Sempre haverá um aluno perguntando se podemos usar os textos da coletânea do Enem quando escrevemos nossa redação.

Bem, vamos ser mais diretos: você pode usar esses textos, sim.

O problema não é poder ou não usar os textos motivadores. O problema é se isso é adequado quando você tem uma estratégia.

Quando analisamos as apostilas internas de treinamento de corretores para o Enem feitas pelo Inep, vemos que não há nenhuma proibição sobre usar os dados da coletânea da prova.

No entanto, ainda que você não seja punido, as apostilas de treinamento de corretores são muito claras: alunos que usam referências externas aos textos motivadores, recebem nota maior.

Oi? Como assim?

Simples! A apostila de treinamento de corretores afirma que os alunos que usarem dados da coletânea para construir seus argumentos, devem receber a nota de 120 na competência II. Isso porque essa competência tem uma nota máxima de 200.

Bem, eu não sou bom em matemática, mas até onde eu sei, 120 é um número menor do que 200 e, por isso, na minha interpretação, se eu dou uma nota menor, estou punindo o aluno que faz isso.

Ok, mas se o Enem diz que você vai receber uma nota menor ao usar os textos motivadores, por que tantos professores continuam dizendo para seus alunos que não há problema em usar esses dados?

De novo a resposta é simples.

O que acontece é que o curso de correção diz que qualquer redação deve ser avaliada a partir de seu melhor uso. Mas o que isso significa?

Bem, se o texto de um aluno apresenta quatro parágrafos e em dois desses parágrafos o aluno usou dados da coletânea, mas em um parágrafo o aluno usou um repertório externo aos apresentados na prova, o corretor deve dar a nota a partir desse repertório ideal e desconsiderar que o aluno usou os textos motivadores.

Ahhhh, então eu posso usar os textos motivadores e um outro texto e ainda tirar nota máxima na competência II? Sim, pode. Mas é aqui que mora o problema.

Quando você usa um repertório qualquer, você precisa provar que esse repertório tem uma relação com o que você está dizendo e produzir processo argumentativo a partir dele. Nem sempre um aluno consegue construir processo argumentativo quando usa um repertório.

Por isso, não me parece responsável que professores permitam o uso dos dados dos textos motivadores, porque isso estimula os estudantes a não treinarem o uso de repertórios externos.

Essa questão do repertório na redação é como se a gente estivesse treinando tiro ao alvo e a gente tivesse só três tiros para acertar o alvo. No caso da redação, eu tenho três parágrafos para tirar nota máxima na competência II.

Assim, eu posso colocar um repertório externo no primeiro parágrafo, no segundo e no terceiro. Cada um desses repertórios é a minha chance de atingir a nota máxima. Quando eu escolho não usar um repertório externo em um desses parágrafos e opto por fazer meu texto com dados da coletânea, estou abrindo mão do meu "tiro" e, portanto, tenho menos chance de acertar o alvo.

Logo, volto ao começo desse artigo. A questão é: posso usar os dados dos textos motivadores?

Pode usar, sim, mas você não deve fazer isso de jeito nenhum, porque está diminuindo suas chances de ter a nota que você quer na redação.

Publicações Relacionadas

Receba artigos do professor Caetano Mondadori
na sua caixa de e-mail