Carregando Idioma...

Não cometa esse erro com repertórios

Descubra a melhor maneira de pesquisar repertórios que realmente possam contribuir com todas as suas redações

Não cometa esse erro com repertórios

Quando a gente fala de redação, muitos alunos só querem saber sobre repertório. A verdade é que não adianta nada ficar preocupado com o uso de repertório se você ainda não aprendeu a argumentar.

O repertório não substitui a necessidade de argumentação. O repertório é um conteúdo que eu uso para comprovar meu argumento, para aprofundar meu argumento, mas ele, sozinho, não pode ser considerado um argumento.

Isso significa que se eu não sei argumentar, o repertório vai ficar ali meio solto na minha redação.

Mas a verdade é que assim como não adianta usar repertório, não adianta explicar isso para alguns alunos. Quem acha que sabe, não consegue aprender.

Vamos aqui fingir que você já sabe argumentar e que está em uma fase do seu processo de aprendizagem em que você começou a usar repertórios. Aí surge o primeiro problema.

A maioria dos alunos, quando começa a pesquisar repertórios, simplesmente não sabe qual a forma mais prática de fazer essa pesquisa.

Assim, esses estudantes começam a pesquisar citações ou dados estatísticos sobre o tema. Se a proposta de redação é sobre autismo, por exemplo, eles buscam frases e dados de pesquisas sobre autismo.

Se o aluno escreve bem, a escola tradicional não vai reclamar disso, mas esse processo revela um grave problema.

Afinal, toda vez que o aluno busca frases e dados específicos sobre o tema daquela semana que está produzindo na escola, ele está fazendo um trabalho que não pode ser reaproveitado.

Se eu encontro um dado específico sobre a questão da inclusão educacional de autistas, pode até ser que essa informação contribua com a minha redação, mas essa pesquisa contribuirá apenas com uma redação e na próxima semana eu tenho outra redação para escrever, sobre outro tema e os dados que eu levei tanto tempo para pesquisar não servem mais pra nada.

Por isso, aconselho que meus alunos mudem a forma como pesquisam informações para fazer suas redações.

Ao invés de pesquisar citações e dados específicos sobre o tema da redação, acredito que devemos procurar citações e dados sobre os problemas que sustentam o tema da redação.

Inicialmente, pode parecer difícil compreender esse conselho, mas funciona assim:

Se o tema for a questão da ESTIGMATIZAÇÃO ASSOCIADA ÀS DOENÇAS MENTAIS eu não vou pesquisar uma frase sobre doenças mentais, mas sobre os problemas em torno das doenças mentais.

Como esse tema fala sobre ESTIGMATIZAÇÃO, que é uma forma de preconceito, poderíamos pesquisar frases sobre marginalização, indiferença, crueldade, inclusão.

Assim, ao começarmos o nosso texto, poderíamos apresentar uma frase sobre indiferença e, só então, dizer que a indiferença proposta nessa citação inicial poderia se relacionar a indiferença da sociedade aos pacientes com doenças mentais.

Mas o que a gente ganha com isso? Simples.

Quando eu pesquiso uma frase sobre indiferença, posso usar essa frase no tema que estou escrevendo essa semana, mas também posso aproveitar essa mesma frase em outro tema que farei na semana seguinte.

Quando eu pesquiso frases específicas sobre o tema, simplesmente não posso fazer esse aproveitamento.

Pesquisar tema por tema é um dos motivos que fazem com que os alunos fiquem tão inseguros na hora de escrever, pois por mais que pesquisem e estudem vários temas, nunca conseguem decorar tantos dados e citações.

A única forma de decorarmos informações é garantir que elas sejam relevantes e constantemente usadas.

Por isso, para que você se lembre de uma citação na hora da redação, ela precisa ser útil e ela só vai ser útil se você conseguir relacioná-la com vários temas de redação.

Caso contrário, esqueça, pois você vai esquecer a tão linda citação que pesquisou.

Publicações Relacionadas

Receba artigos do professor Caetano Mondadori
na sua caixa de e-mail